sábado, 26 de julho de 2008

A Filosofia Árabe


Tal como os filósofos cristãos, também os árabes, mutatis mutandis, tentaram conciliar o conteúdo da revelação com a filosofia, ou melhor, esforçaram-se por explicar racionalmente a verdade revelada através da filosofia. Pretendiam perpassar a obscuridade da fé com a luz da razão natural. Trata-se de conciliar a fé com a razão, síntese que muitas vezes culmina em modos originais de pensar. O pensamento rígido do Corão e dos tradicionalistas chocou muitas vezes com a cosmovisão platónica e aristotélica, sobretudo nas concepções da criação e da acção divina sobre o mundo.
Os árabes tiveram contacto com a filosofia grega através dos territórios conquistados onde predominava a cultura helénica e assim conheceram obras gregas no campo da medicina, matemática e filosofia. Através da traduções feitas pelos judeus de Espanha dos comentadores de Aristóteles, os europeus puderam conhecer a maior parte do corpus aristotelicum, que era desconhecido até então. O que mais se conhecia de Aristóteles era somente a lógica, depois, através dos comentadores árabes, juntou-se a metafísica, a física, a ética e a psicologia.

Para o estudo da filosofia islâmica recomendamos o site Islamic Philosophy Online.

4 comentários:

Nuno Afonso disse...

As obras completas de Aristóteles e Platão constavam da biblioteca de Monte Casino e eram estudadas por uma elite beneditina desde o Renascimento Carolíngeo, da qual se destaca Honório de Outum. Não eram, por isso, totalmente desconhecidas no ocidente cristão anterior à influência árabe. Convém não esquecer este pormenor. O que se verificou com a escola andaluza de tradução foi apenas a vulgarização destas obras. Convém não simplificar a história neste ponto ;)

lopez disse...

Um advertência sábia de Nuno Afonso.
Estas alegações de que Aristóteles não era conhecido antes das tradições toledinas não colhe face ao actual estado da investigação.
Para além da livraria casina de acesso restrito, outros mosteiros e mesmo Colegiadas dispunham de obras do peripato.

Guilherme Ferreira disse...

Foram ótimas observações.
Estou na 6ª série estudo filosofia e isso me ajuda muito para meu trabalho.
E parabéns por esse blog, com certeza ele ajudará várias pessoas.

Carlos disse...

Gostei das afirmações referidas a especificação da filofia de Aristóteles. De certo, a forma de pensar de aristóteles deixa mutias brexas para posteriores interpretações. Conquanto, agradeço aos que responderam e deixaram seus comentários. sou estudante do curso de bacharelado em filosfia. Estou no quarto período.Mais uma vez agradeço aos demais.